Toggle

Rotatividade de pessoal: pesquisa aplicada

 

rotatividadeContinuando a falar sobre os resultados da pesquisa que fizemos em uma rede de fast food no município de São Paulo (leia aqui o primeiro texto):

Os índices de rotatividade de pessoal foram avaliados no período de novembro de 2009 a abril de 2010, sendo representado pela figura abaixo as médias por restaurante.
Os motivos para os desligamentos dos colaboradores são: 45,3% em virtude de outro emprego, seguido por baixo salário 13,3%, desídia (falta sem justificativa) 13,1%, adaptação ao serviço 12,3%, baixa produtividade 7,7%, mudança de endereço 5,3%, redução do quadro 2,7% e por último término do contrato 0,3%.

Os motivos: outro emprego, baixo salário, adaptação ao serviço e mudança de emprego são pedidos de demissões; baixa produtividade, redução do quadro e término do contrato são demissões sem justa causa e desídia é demissão por justa causa.

Observa-se que quase 50% dos desligamentos é em virtude de outro emprego e mais de 13% é por baixo salário, se somado representa quase 60% dos motivos de desligamento, fato que deve ser destacado, visto que ao sair da rede de fast food por outro emprego o colaborador busca principalmente melhores salários, por isso é coerente dizer que o principal motivo da alta rotatividade é o salário oferecido pela rede, já que os colaboradores recebem por hora e a maioria destes não chegam a receber um sálario mínino ao mês. Em estudo realizado por MELLO (2010), 41,4% dos motivos de desligamentos estão relacionados à proposta melhor / salário muito baixo.

Os demais motivos podem ser justificados pela baixa faixa etária, tendo o colaborador que seguir com sua família, no caso de mudança de endereço, ou pelo despreparo profissional, visto que em muitos casos é o primeiro emprego, nos motivos adaptação ao trabalho, baixa produtividade e desídia.

Segundo dados fornecidos pela alta direção da rede de fast food 32% dos colaboradores contratados saem antes de completar os 90 dias. A alta direção da rede atribui à esse valor a falta de direcionamento/treinamento dada a esses colaboradores nos primeiros dias de trabalho.

A rede possui procedimentos rígidos a serem cumpridos e o fato dos colaboradores não receberem treinamento e tratamento adequado pode influir para esta alta evasão, essa hipótese pode ser confirmada quando verifica-se os resultados do check list de segurança dos alimentos e observamos que os maiores índices de não conformidade estão relacionadas a procedimento incorreto.

A média de permanência do colaborador na rede há 04 anos atrás era de 02 anos e atualmente é de 06 meses. Essa média de permanência pode ser atribuida pelo baixo salário, porém deve-se considerar que a média salarial de anos anteriores não difere do salário atual, por isso a alta direção da rede de fast food atribui esse fato especialmente ao enfraquecimento da cultura e a falta de reconhecimento e estímulo pelos gerentes aos seus colaboradores.

Veja mais sobre os testes de liderança e cultura organizacional aplicados nesta mesma rede de fast food.

Clique nos links abaixo e veja as demais partes da pesquisa:

Pesquisa rede de fast food - CLIQUE AQUI
Teste de liderança - CLIQUE AQUI
Desenvolvimento da cultura organizacional - CLIQUE AQUI
Rotatividade de pessoal - CLIQUE AQUI

CLIQUE AQUI E FAÇA O DOWNLOAD DA PESQUISA POR COMPLETO

Siga-me no Twitter